‘Ainda bem que sobrevivi para ver’, diz Nelson Triunfo sobre homenagem em filme

Considerado o pai do hip-hop no Brasil, dançarino tem história contada em película

por Jéssica Balbino* 

“Ainda bem que eu sobrevivi para ver isso”, disse Nelson Triunfo durante o lançamento do Triunfo – O Filme, no Cine Livraria Cultura, na noite de segunda-feira (7) em São Paulo (SP). A película foi exibida durante o festival É Tudo Verdade!, em que ficou em 7º lugar e será exibida também no Rio de Janeiro (RJ) e em Campinas (SP).

Cartaz do filme (foto: Jéssica Balbino)

Cartaz do filme (foto: Jéssica Balbino)

Com a trilha sonora embalada pelo Inquérito – que fez uma releitura de clássicos da Black e soul music – o filme reconta o surgimento da cultura hip-hop no Brasil e homenageia, em vida, um dos precursores do movimento no país: o pernambucano Nelson Triunfo, também conhecido como Homem Árvore e famoso pelos passos sincopados e pelo estilo ‘invertebrado’.

“Foi emocionante ver essa história que estamos ajudando a escrever na tela. Mais emocionante ainda porque fizemos a trilha sonora e colocamos o coração nesse trabalho”, resumiu Renan Inquérito, que assina a trilha sonora do filme ao lado de Pop Black, da Black Beats e Dj Duh, da Groove Arts. “Foi inevitável: eu chorei”, completou Dj Duh.

Dj Duh, Pop Black, Nelson Triunfo, Renan Inquérito e Jéssica Balbino (foto: Marcos Elias)

Dj Duh, Pop Black, Nelson Triunfo, Renan Inquérito e Jéssica Balbino (foto: Marcos Elias)

Aos 59 anos, Nelson Triunfo se emocionou ao lado da esposa e dos dois filhos, ao ver a própria vida retratada na telona. Isso tudo pouco depois de ter a biografia escrita e lançada pelo jornalista Gilberto Yoshinaga.  O orgulho negro é representado no cinema pelas memórias de quem viveu os bailes ao som de James Brown, na época em que o sonho de Martin Luther King sangrou com ele.

O filme de 84 minutos com direção de Cauê Angeli e Hernani Ramos remonta a trajetória do dançarino desde a época em que deixou o sertão pernambucano para aventurar-se em São Paulo e passa, inclusive, pelos anos de chumbo do Brasil, quando a ditadura reprimia as manifestações culturais, entre elas, os bailes da cultura negra. A condução do documentário passa ainda por vivências de Nelson Triunfo com a vinda de James Brown e dos elogios feitos pelo ‘pai do funk’. A narrativa da história fica por conta de Thaíde, que também vivenciou o período e no longa interpreta um radialista.

Com depoimentos de King Nino Brown, Paulo Brown, Dj KL Jay, Marcelinho BackSpin, entre outros que viveram a movimentação na Estação São Bento e na 24 de Maio, esquina com a Dom José de Barros, até chegar a rappers como Criolo e Renan Inquérito, que também estavam na plateia, o documentário surpreende ao mostrar o encontro do pai do hip-hop brasileiro com lideranças da cultura em Berlim e também com o Grandmaster Caz, no Bronx, berço da cultura. Para ele, somente a cultura hip-hop proporciona encontros assim. “Em que outra situação e contexto estaríamos vivendo isso? Só o hip-hop traz esses encontros”, pontuou.

Na plateia, figuras como o Dj Theo Werneck e o ator Sergio Mamberti, que também assina o prefácio do livro, estiveram atentos à obra e a surpresa veio no final, depois dos créditos, com o depoimento de Afrika Bambaataa, o responsável pela junção dos elementos: Dj, MC, dança e graffiti. Com a bandeira do Brasil no pescoço, ele referiu-se ao dançarino com ‘intimidade’ e teceu elogios à cultura brasileira, sem deixar de lado o recado: “busquem conhecimento”.

Sharylaine, Pop Black, Marcos Elias, Criolo, Nelson Triunfo, Renan Inquérito, Jéssica Balbino, Dj Duh (foto: Panikinho)

Sharylaine, Pop Black, Marcos Elias, Criolo, Nelson Triunfo, Renan Inquérito, Jéssica Balbino, Dj Duh (foto: Panikinho)

Um bom começo é o filme, que precisa ser visto agora. Com urgência. Em vida.

Serviço – O filme pode ser assistido gratuitamente nesta terça-feira (8) às 15h no Cine Livraria Cultura, na Avenida Paulista, em São Paulo. Já no Rio de Janeiro, o documentário será projetado no Espaço Itaú de Cinema nos dias 9 e 10 de abril às 21h e 15h. Mais informações podem ser obtidas pela página do filme no Facebook: https://www.facebook.com/pages/Triunfo-O-Filme/159101060935077?fref=ts

Assista ao trailler

* Jéssica Balbino é jornalista

Anúncios

One thought on “‘Ainda bem que sobrevivi para ver’, diz Nelson Triunfo sobre homenagem em filme

  1. Pingback: Filme que conta a história do ‘pai do hip-hop’ no Brasil vence festival internacional |

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s